John B. Watson (1878 – 1958)

Qualquer pessoa, independentemente de sua natureza, pode ser treinada para ser qualquer coisa.

“Na visão de um behavorista, a psicologia é um ramo puramente objetivo e experimental das ciências naturais.” [Watson]

“Não ficarei satisfeito até ter um laboratório onde eu possa estudar crianças… sob observação contínua.” [Watson]

        Nascido nos EUA, era de uma família pobre e de um pai problemático, tornou-se um jovem rebelde porém um aluno brilhante. Foi professor na Universidade John Hopkins, renunciou ao cargo devido a um escândalo amoroso iniciando sua atuação na carreira publicitária.
       

        No início do século XX, psicólogos alegavam que a mente não poderia ser estudada apenas através da introspecção. Watson não foi o primeiro a defender os behavioristas, contudo foi um árduo representante. Defendeu a psicologia focada em prever e controlar comportamentos ao invés de definir os estados mentais. 

        Utilizou ratos e macacos em pesquisas, contudo depois de uma contribuição à área militar se inclinou aos experimentos com humanos. Acreditava no indivíduo como portador de emoções fundamentais como medo, raiva e amor, todas passíveis de condicionamento.

        Utilizando um bebê de 9 meses, percebeu que o mesmo não possuía sentimentos de medo com relação a animal algum tampouco a objetos representando figuras assustadoras contudo este bebê chorava ao ouvir barulhos estridentes repentinos, como o forte impacto do martelo em uma barra de metal.

        Watson então, condicionou a presença de um rato à martelada e percebeu que após algumas repetições apenas o fato de mostrar o rato levava a criança a chorar; foi além e percebeu que qualquer animal ou objeto semelhante ao rato poderia ser capaz de levar a criança a angústia confirmando sua teoria de que humanos são passíveis ao condicionamento clássico assim como cães e outros animais.

        Após a renúncia de seu cargo, trabalhou como publicitário e continuou publicando trabalhos de psicologia, onde defendeu que a natureza de toda pessoa podia ser moldada, defendeu uma criação e educação behavioristapara as crianças, onde ela seria influenciada pelo meio controlado pelos pais. 

        Com o passar dos anos foi possível perceber os danos causados por suas técnicas, onde inclusive sua própria família relatou negativamente experiências familiares. De qualquer maneira suas pesquisas foram influentes apesar de inadequada para a moral social de cada época, lembrando que muitas foram  aplicadas no condicionamento de criança para tentar melhorar seu bem estar.

        Certamente Watson foi uma pessoa controvérsia, sua insensibilidade era aguçada bem como o uso de sua Inteligência de forma questionável em diversos aspectos de sua vida. Ao atuar na área publicitária mostrou como induzir pessoas a adquirir produtos por conta de sua imagem e não de seu conteúdo, submetendo o uso da psicologia não ao bem estar humano mas no controle de massas para o benefício alheio. 

        O seriado americano Dexter basicamente relata a história de uma criança que foi adotada por um policial que o “condicionou” a um código de conduta que o permitia matar criminosos, o resultado foi um adulto serial killerjusticeiro e sem compaixão. Apesar de ter gostado do seriado e até aceitado o protagonista como herói em um mundo fantasia, contudo tanto a conduta do pai quanto do filho não deveria ser aprovada no mundo real. 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s