B. F. Skinner (1904 – 1990)

O comportamento é moldado por reforços positivos e negativos.

“O objetivo do behaviorismo é eliminar todo tipo de coerção, transformando o ambiente e ajustando o que nos controla.” [Skinner]

“A objeção aos estados internos não é por eles não existirem, mas pelo fato de não serem relevantes a análise funcional.” [Skinner]

        Nascidos nos EUA, iniciou sua carreira como escritor, contudo não obteve sucesso. Estudou psicologia, disciplina da qual foi professor e pesquisador, publicou diversas pesquisas mantendo se ativo até o dia de sua morte.
       

        Os estudos de Pavlov e Watson foram continuados por Skinner, que aprimorou a metodologia científica bem como os equipamentos de testes. Ao complementar o condicionamento clássico mostrando a importância das consequências das ações no aprendizado do comportamento fortaleceu o behaviorismo dentro da psicologia.

        A caixa de Skinner auxiliou em pesquisas que mostraram como recompensas positivas as ações fortaleciam a repetição da mesma chamou esta relação de condicionamento operante mostrando que o comportamento se repete não apenas pelos estímulos recebidos mas também consequência de atos. Também experimentou o oposto, onde notou que consequências negativas reduzia uma ação no comportamento; até mesmo ações que tendem a diminuir consequências negativas seriam repetidas mais frequentemente.

        Os experimentos de Skinner mostraram que reforços positivos agilizavam o aprendizado mais que reforços negativos os bloqueassem. Defendeu a teoria da seleção pela consequência onde a história de uma espécie dependia de sua genética e do seu ambiente. Lançou o Projeto Pombo, financiado militarmente, que buscou a criação de mísseis guiados por pombos condicionados; em seu livro Waden II descreveu uma sociedade utópica fundamentada no comportamento aprendido pelo condicionamento operante.

        Skinner questionou o sistema de ensino da década de 50, que trazia longas atividades com poucos feedbacks, pregou que reforços positivos deveriam ser mais constantes. Ressuscitou o debate determinismo versus livre arbítrio, onde o segundo não passaria de uma ilusão gerada pelas consequências de nosso comportamento controlado. 

        O behaviorismo radical do pesquisador nunca negou os processos do pensamento ou do estado mental, contudo considerava-os um assunto subjetivo e sem resultados científicos. Com a redução de psicólogos dedicados ao behaviorismo reduziu-se o poder das teses de Skinner, que mesmo sem o foco da comunidade influenciaram em muito a psicologia educacional e clínica.

        Sem dúvidas o uso de recompensas e punições, ou o uso de consequências positivas e negativas nos permitem moldar o comportamento de crianças, adolescentes e adultos. É fato também que tais técnicas podem ser utilizadas com intenções maléficas e benéficas; mas quais seriam as consequências em se criar uma sociedade viciada no resultado? Cujo prazer ou satisfação em construir inexiste, onde a intolerância à falha representada no medo é capaz de ofuscar a criatividade e a busca pelo novo. Talvez a geração imediatista que percebemos atualmente seja um mero reflexo do condicionamento criado pela sociedade durante os últimos séculos.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s