Daniel Schacter (1952 – )

Os sete pecados da memória.

“Não queremos uma memória que armazene todos os detalhes de todas nossas experiências. Ficaríamos sobrecarregado de entulho e fatos inúteis.” [Schacter]

“Sem a memória não seríamos capazes de realizar atividades básicas. Não teríamos auto senso. Não poderíamos lembrar nossas experiências pessoais.” [Schacter]

        Nascido nos EUA, formou-se em psicologia e trabalhou no Laboratório de Percepção e Memória do Hospital de Durham atendendo veteranos de guerra. Fez pós-graduação na Universidade de Toronto onde foi orientado por Tulving, lecionou em Harvard onde fundou o Schacter Memory Laboratory.
       

       Schacter afirmou que o esquecimento é essencial pois grande parte de nossas lembranças são inúteis e devem ser esquecidas permitindo uma maior eficiência de armazenagem. Por ser imperfeita a mente também pode excluir informações úteis e persistir as inúteis ou até armazenar informações de forma equivocada. Publicou em seus trabalhos os sete pecados da memória, onde três deles estavam relacionados a omissão ou esquecimento, e quatro deles à comissão ou lembrança.

        O pecado da transitoriedade, ocorre quando a memória se deteriora principalmente quanto a eventos de longa data se distorce toda vez que é reprocessada uma informação. A distração ocorre quando o cérebro filtra ou seleciona inconsciente uma informação considerada trivial e decide por não armazená-la.

        O bloqueioocorre quando uma informação está no ápice de ser resgatada mas alguma outra não a permite, é quando aquela palavra está na ponta da língua mas não lembramos. Na atribuição equivocada a memória é resgata corretamente, contudo ela foi armazenada equivocadamente por interferência ou limitação sensorial.

        A sugestionabilidadeconsiste no resgate de falsas memórias que foram influenciadas ao serem recordadas. A distorção ocorre quando emoções e sentimentos do momento da armazenagem distorcem os fatos levanta a resgates imperfeitos. A persistênciaseria o pecado de armazenar de mais, é quando a memória guarda algo inquietante e angustiante de forma intrusiva e inconsciente, trazendo as recordações à tona mesmo em contextos irrelevantes.
 
        Schacter finalizou seus estudos reforçando que os pecadosnão seriam falhos, mas sim pequenas desvantagens em se ter um sistema complexo que funciona perfeitamente a maior parte do tempo mas está sujeito a imperfeições. Seu trabalho: Os Sete Pecados da Memória causaram grande impacto devido a quantidade de dados e evidências que permitiram um melhor entendimento da memória.
 
        O processo evolutivo é constante, consideramos a menta complexa e desenvolvida, contudo ela é nada menos que a consequência de uma construção moldada pelo ambiente por milhares de anos. Estaríamos caminhando rumo a falta de controle consciente do cérebro no nosso processo de evolução ou o controle da consciência aumenta cada vez mais?
 
        A primeira hipótese nos aproxima de uma vida mais selvagem e integrada ao ambiente enquanto a segunda nos permite maior socialização e controle do ambiente. A segunda hipótese parecer se um melhor caminho, vai exigir um uso mais apropriado da consciência humana.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s