A Política

Atividade institucional utilizada para a organização da sociedade.

“A sociedade política existe com a finalidade das nobres ações, não por mero companheirismo.” [Aristóteles]

“Deixem os todos discutirem a forma de governo. O mais bem administrado, se qual for, é o melhor.” [Alexander Pope]

“Os filósofos têm apenas interpretado o mundo… a questão, porém, é transformá-lo.” [Karl Marx]

“Política é uma questão muito séria para ser deixada para os políticos.” [Charles de Gaulle]

        O Mundo, em sua totalidade de nações, sempre passou por épocas de descrença total à Política e seus propósitos. O Brasil, em especial no ano de 2013, mostrou esta descrença em um ensaio de protesto nacional contra toda divergência entre o propósito, as ações e os comportamentos dos governantes.
       

        Contudo, se enganam aqueles que acham que a política está presente apenas nas esferas Municipais, Estaduais e Federais. O mercado composto por suas diversas Corporações é um micro escopo político cujo principal objetivo em nosso atual sistema capitalista, consiste em unir pessoas para atingir um objetivo comum – a geração de riqueza.

        Enfim, a Política é um conjunto de normas estabelecidas por homens e mulheres para que se possa existir uma convivência coletiva que permita alcançar objetivos comuns sem inibir ou enaltecer o atendimento de anseios e desejos individuais.
        A Política é um conjunto de ideias e conceitos que buscam defender crenças e interesses comuns, é uma das mais antigas e bem sucedidas invenções humanas que reconhece na ação coletiva uma capacidade maior que na individualidade.

        Após milênios de um sistema político familiar substituído posteriormente pelo sistema político religioso, entramos na época da racionalidade por intermédio da civilização grega, onde Aristóteles questionou a Política abordando assuntos como quem deveria se tornar um governante e quais os limites de seus poderes, além de debater meio lícitos para legitimar este poder diante de outras instituições como a família ou a religião.

        Os conceitos morais e éticos da Política nem sempre existiram como os conhecemos atualmente: justiça, igualdade, liberdade e auto determinação são hoje um objetivo máximo, senão melhor dizer uma obrigação política que nem sempre pode ser cobrada. Na verdade, tratam-se de conceitos novos considerando toda nossa história de vivência social.

        O descrédito para com a Política e seus governantes nem sempre foram tão aflorados, e muitas vezes inexistiu, foi a partir do século XVI e XVII com o Realismo Político de Maquiavel e Hobbes, que análises, conceitos e formas de governo passaram a ser analisadas com a premissa de que a Política e seus governantes são formados por mentirosos ingratos sem senso de nobreza tampouco virtuosidade; cujo único objetivo seria o enriquecimento, concretização de desejos, anseios próprios e a aniquilação de seus inimigos.

        A discussão política e seus modelos nem sempre existiram também em sua forma ideológica, este nasceu com Karl Marx que mostrou como um retrato histórico social de cada época enfatiza a ideologia política adotada; ou seja, a política é uma representação ideológica do momento em que se vive. 

        Este movimento ideológico é mais facilmente percebido em modelos como o socialismo, o comunismo, o liberalismo, o conservadorismo, o anarquismo, etc. As correntes ideológicas são caracterizadas pela “filiação” a modelos cujas decisões não são levadas apenas pela razão, mas pela emoção semelhante à que se escolhe um time de futebol.

        Georg Hegel, talvez o mais proeminente filósofo alemão, ressaltou no final do século XVIII que a Política não se prevê, ela só pode ser analisada retrospectivamente considerando sua história e desenvolvimento até determinado momento. A todos que acreditam que a Política de seu tempo é a mais progressista, iluminada e racional, Hegel deixou seu recado, o Estado Moderno só acontecerá quando tudo chegar ao seu fim. Vivemos em um mundo amplo que mesmo em períodos idênticos percebe políticas antagônicas como as separatistas ou de unificação, enquanto uns decidem pela democracia outros optam pelo controle autoritário. 

        No modelo político não existe o certo ou o errado, tampouco a necessidade em se criar uma herança de modelos e pensamentos, afinal de contas, não existe garantia alguma de que os nossos descendentes, ou os que estão por vir julgarão um ou outro modelo como adequado, lembremos que novas gerações podem possuir um senso comum de julgamento diferenciado.

        Válido lembrar que a Política está atrelada a sociedade, e portanto afeta todos nós que nela vivemos e participamos, sendo interessante a preocupação e participação de todos nesse grande debate, embate e construção. Talvez a política seja conjuntamente com a religião uma das formas de organização social mais antigas e adaptativas já criadas pelo Homem.

        2014 foi ano de eleição no Brasil, nada como entender um pouco mais e melhor sobre a História da Política, sem esquecer que a principal discussão não deve prevalecer nos modelos criados, pois ao final é perceptível que o que será julgado pela história serão os resultados e objetivos alcançados. E claro, a história é sempre contada pelos vencedores de sua época, um modelo só é analisado por outra perspectiva depois de derrotado ou superado.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s