As Cinco Forças de Porter

As forças competitivas determinam a lucratividade de um setor.

“O primeiro a chegar pega a ostra, o segundo a casca.” [Andrew Carnegie]

Graduado em Engenharia Espacial, especializou-se em administração de negócios focando-se na competitividade industrial. Com mais de 18 livros e 125 artigos publicados tem trabalhado como consultor para grandes companhias e governos.

Como grande parte das organizações se encontram em mercados de grande competitividade, é comum a definição de estratégias voltadas a competição com os oponentes mais próximos. Michael Porter mostrou, no entanto, que existem outras forças capazes de influenciar um negócio e que se restringir apenas a concorrência pode privar uma companhia de obter maiores lucros.

Em seu modelo das cinco forças deixou claro que maturidade do mercado, qualidade dos serviços e níveis de regulamentação não é o fator principal na definição da lucratividade, mesmo que alguns negócios possam ser afetados no curto prazo por mudanças de comportamento do mercado.

A primeira força consiste da rivalidade entre concorrentes e possui maior impacto na lucratividade de um setor. Segundo o autor mercados competitivos são aqueles em que existe grande número de concorrentes do mesmo tamanho, o crescimento é pequeno e a lealdade do cliente baixa; outra característica importante está na dificuldade em se abrir mão do setor, seja por conta de altos investimentos ou regulamentação.

A segunda força consiste da ameaça de produtos substitutos que impedem um aumento da lucratividade. Quando uma organização atua em um setor onde seu produto pode ser substituído por algum outro sem danos ao consumidor, um aumento de preço leva facilmente a uma troca de comportamento.

O poder de barganha dos clientes segura um aumento da lucratividade pois impede que a corporação aumente seu preço além de aumentar os custos de produção pela exigência de produtos de grande qualidade. Setores onde existem poucos clientes com grande poder de compra e que são capazes de trocar o produto por um substituto ou até mesmo um concorrente levando o produtor a perda de fluxo de caixa são exemplos onde o cliente reduz a lucratividade.

O poder de barganha dos fornecedores também reduz as margens de lucro de uma companhia pois o custo de compra é elevado. Setores onde existem poucos fornecedores de um material ou onde a troca de matéria prima exige uma grande mudança no processo produtivo são exemplos de onde esta força pode ser encontrada de forma intensa.

A ameaça de novos entrantes também é um fator que mingua o lucro. Setores cuja lucratividade é alta e o custo para se iniciar um novo negócio é baixo, atraem com facilidade novos concorrentes que podem angariar consumidores de baixa lealdade. Para uma empresa se proteger desta força é necessário um bom posicionamento de mercado bem como a criação de patentes que impedem a concorrência de atuar livremente.

O modelo das cinco forças de Porter é amplamente utilizado pela sua simplicidade e eficiência, ele é capaz de condensar um grande volume de dados e informação em cinco pilares de fácil entendimento que permite uma organização se posicionar da forma mais adequada no setor onde compete ou auxilia empreendedores e investidores a compreender melhor qual o setor do mercado mais lucrativo e que deve ser desenvolvido.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s