Elijah Anderson (1943-)

O Gueto é onde as pessoas negras vivem.

“O Negro é considerado alguém perigoso até que prove o contrário.” [Elijah Anderson]

“O jovem negro está em uma trajetória perigosa. Precisamos de ideias para resolver isto.” [Elijah Anderson]

Seus pais trabalhavam em uma fazenda arrendada no Sul dos EUA, após lugar na Segunda Guerra seu pai se mudou para o norte por considerar o racismo Sulista intolerável. Estudou sociologia em Indiana publicou diversos trabalhos sobre racismo é um dos principais etnógrafos americanos, foi vice presidente Associação Sociológica Americana e ganhador do prêmio Cox-Johnson-Frazier.

Em seu livro “The Iconic Ghetto” o autor abordou que grande parte dos americanos associam os negros como vivendo em guetos, ou seja, bairros sem lei, pobres, regidos por tráfico de drogas e violência. Este conceito leva a percepção de que os negros são imorais viciados e, portanto, discriminados e prejudicados.

Em seus estudos etnógrafos o autor constatou que a maior parte dos negros americanos não vivem em guetos, e em muitos casos eles possuem acesso legal as mesmas escolas e oportunidades de trabalho, contudo este icônico gueto que povoa a mente da sociedade pressionam os negros a um estilo de vida que busca provar não serem parte deste imaginário.

O que se percebe então, são negros de classe média que buscam imitar o estilo de vida dos brancos seja na forma de se comunicar e portar ou na busca pelo status escolar. Eles absorvem insultos e compartilham de forma irônica, enquanto na realidade, estes eventos se escalam e não são observados como deveriam, acabando por mostrar que foi uma tolice acreditar que a sociedade os absorveria de forma igual.

Enquanto os negros de classe média podem batalhar para desconstruir esta mentalidade, a classe trabalhadora negra não tem muitas alternativas, inclusive porque muitos vivem nestes guetos. O que os leva a uma batalha interminável de provar que não são pessoas violentas, imorais e viciadas.

Por fim o autor afirma que esta mentalidade ainda é latente e persistente, e podem ser constatadas em casos como o de Trayvon Martin que foi baleado por uma patrulha comunitária por estar no lugar errado, ou do próprio autor que foi abordado por um vizinho que o mandou “voltar pra casa” enquanto caminhava no bairro onde morava.

Os casos brasileiros, certamente são diferenciados dos americanos, os países possuem histórias e contextos diferentes. Contudo se trocarmos guetos por favelas podemos facilmente perceber que muita da mentalidade persiste. Importante também ressaltar que este “racismo bem-humorado” que é exercido no Brasil é extremamente prejudicial e um dos principais sustentos para o racismo que exclui, reduz oportunidades, traz desigualdade e mata.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s